WEB News

Versão digital do Jornal Impresso INTECH News

Março / Abril / Maio - 2013 / Ano3 / Número 10

BEM ESTAR

Os benefícios da jardinagem para a sáude

Para muitos o dia a dia nas cidades tornouse a causa de um ritmo estressante e até crítico para a saúde. A busca por atividades relaxantes e mais saudáveis está entre as primeiras recomendações dos especialistas. Uma destas soluções responde pelo nome de hortoterapia, tratamento que consiste no contato direto com a natureza e que é capaz de ajudar até na recuperação de doenças. Em matéria publicada no portal online da revista Viva Saúde, a hortoterapia foi definida como uma técnica que combina a cultura de plantas e jardinagem como instrumento de cura.

O objetivo é maximizar as funções cognitivas, físicas e psicológicas, melhorando a qualidade de vida dos praticantes. De acordo com a médica e autora do livro O Jardim que cura, Cristina Borghi, a terapia é mais antiga que a psiquiatria e consiste de três mecanismos: a interação com as plantas, a ação e a reação. O primeiro consiste em criar uma interação da vítima de estresse, ansiedade e depressão, entre outras enfermidades típicas da vida urbana, com as plantas, fornecendo um ambiente relaxante. Já a ação, de acordo com a autora, é definida pela ocupação oferecida ao praticante, distraindo-o dos problemas no trabalho e na vida pessoal.

Por último, Cristina fala da reação, que é uma ligação entre a pessoa e seu jardim, estabelecendo uma resposta emotiva e relaxante. “O encanto da beleza age diminuindo os sentimentos negativos, acalma, leva ao otimismo, à esperança e promove a confiança na cura”, diz a especialista, ressaltando que o tratamento também auxilia na recuperação de muitas doenças.



Dicas de saúde e prevenção na jardinagem

Mesmo sendo uma ocupação e uma terapia saudável, a jardinagem pede que alguns cuidados sejam tomados para garantir uma atividade segura e benéfica. De acordo com o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos EUA, certas medidas são indicadas tanto para cultivadores iniciantes como para os experientes.

- Primeiramente é importante que a pessoa utilize roupas especiais para fazer jardinagem, a fim de evitar contato direto com pragas de jardim, produtos químicos, ferramentas afiadas e motorizadas, bem como insetos e muita exposição aos raios solares. O instituto recomenda que sejam utilizados óculos de proteção, sapatos robustos a calças longas ao utilizar ferramentas como os cortadores de grama. Luvas também são importantes para evitar irritação na pele, cortes e contato com contaminantes. A proteção da pele ainda segue pela utilização de repelentes de insetos e protetores solares.

- Como uma atividade quase totalmente ao ar livre, o cuidado com calor e raios solares é uma questão levada a sério. Deve-se manter o corpo hidratado e evitar bebidas alcóolicas e excesso de açúcar, pois são substâncias que ajudam o corpo a desidratar. Aproveite ainda para fazer pausas regulares e descanse em áreas com sombra para o corpo recuperar a temperatura correta. Fique bem atento a sinais de exaustão, náuseas, dor de cabeça e outros indícios de longa exposição ao sol, principalmente, para crianças, adultos acima de 65 anos, pessoas com sobrepeso e com sintomas de alguma doença.

A prevenção de algumas doenças também pode ser feita com vacinação, caso da bactéria causadora do tétano, que vive no solo e pode invadir o corpo por meio de cortes causados por ferramentas e objetos cortantes. - Por último, o instituto recomenda que ao utilizar as ferramentas de jardinagem é preciso se certificar que o funcionamento, no caso das elétricas, esteja em ordem. Siga atentamente qualquer instrução do manual de uso e as mantenha longe do alcance de crianças, assim como é feito com os produtos químicos.

CONTEÚDO EXCLUSIVO DO SITE

As doenças combatidas pela hortoterapia

Segundo a médica Cristina Borghi, um estudo publicado por Carl J. Caspersen no American Journal of Epidemiology, comprova que bastam 30 minutos de jardinagem por semana para obter resultados significativos de melhora nos pacientes de doenças coronárias. Ela não está sozinha nessa defesa. Para Sérgio Simon, oncologista no Hospital Israelita Albert Einstein, o jardim possui uma resposta calmante e tranquilizadora sobre os pacientes de quimioterapia, fazendo com que sintam menos alguns dos efeitos colaterais do tratamento.

Esses mesmos atributos são aplicáveis em pacientes de dependência alimentar e químicas, fisioterapia, distúrbios mentais e também na terapia para idosos, que sofrem muito com diabetes, doenças cardiovasculares e perda das habilidades motora e mental.

Em uma entrevista ao portal Health.com, Katherine Brown, diretora executiva da ONG Southside Community Land Trust, na cidade americana de Providence, explica que para iniciar a hortoterapia não é necessário um jardim grande. Com pouco espaço já é possível iniciar a experiência. Para quem vive em apartamentos uma solução é o cultivo de plantas e flores em vasos. Segundo Katherine, é possível até cultivar tomates do tipo cereja em um balde limpo e com furos na base.

Para tudo isso, é recomendado ser ativo por pelo menos 30 minutos por dia. A pesquisa citada por Katherine mostra que é possível perder até 150 calorias com 30 a 45 minutos de jardinagem. Ela ainda indica que variar entre os tipos de ervas, flores, vegetais ou frutas plantadas ajuda a manter o interesse e aumentam o alcance dos benefícios da terapia. Se estiver com dúvidas sobre o que plantar e como não se preocupe, pois a internet e as livrarias estão repletas de diferentes opções e técnicas de cultivo.

Cultivando uma horta em apartamento

Para muitos a falta de um espaço ao ar livre e os limites de um apartamento acabam sendo o principal empecilho para iniciar a hortoterapia. No entanto existem técnicas especiais para tornar isto possível de forma agradável e prática. De acordo com publicação da Revista Vida Simples, edição 74 de 2008, é fácil começar o seu cultivo seguindo as dicas: 1. Escolha do local
As hortaliças precisam receber, no mínimo, cinco horas de luz solar por dia. Por isso, o ideal é instalar a horta na varanda ou junto à janela. Prefira locais que recebem sol pela manhã.

2. Onde plantar?
Em qualquer vasilhame, de jardineiras a jarros (com volume mínimo de 1 litro) até canos de PVC (de 30 cm de diâmetro) cortados ao meio. Dá para usar também garrafas PET de 2 litros (cortadas acima da metade) ou carrinhos de mão. É preciso sempre furar embaixo para a drenagem da água.

3. Preparo do solo
Melhor comprar terra pronta, com matéria orgânica, nitrogênio, fósforo e potássio, aconselha o técnico agrícola Adejar Gualberto Marinho, da Embrapa Hortaliças. “O ideal é que a terra tenha pH 6. Se o solo for ácido demais, as plantas não vingarão”, afirma.

4. Seleção das culturas
Opte por hortaliças com raízes curtas, como alface, coentro, cebolinha, salsa, pimentão e couve-folha, ou até frutas de pequeno porte, como tomate-cereja e morango. Vegetais de raízes longas, como cenoura, rabanete e mandioquinha, não se adaptam bem a solos pouco profundos

5. Cuidados no plantio
A plantação começa com sementes ou mudas, dependendo da cultura. Pesquise o espaçamento ideal de cada planta para que ela cresça plenamente. Um pé de alface, por exemplo, deve ser plantado a 20 cm dos demais, enquanto para tomate e couve a distância sobe para 35 cm.

6. Rega e manutenção
No início, regue três vezes por dia até que a semente germine ou a muda pegue. Depois, basta uma rega diária, de preferência pela manhã. Retire plantas invasoras e proteja a horta de insetos, principalmente borboletas. Seus ovos viram larvas, que se alimentam das plantas.

Voltar

ESCRITÓRIO SÃO PAULO

Av. Adolfo Pinheiro, 1010 - cj 52
CEP 04734 002 - São Paulo - SP - Brasil
TEL: 55 (11) 2129-2100
FAX: 55 (11) 2129-2121

ESCRITÓRIO RIO DE JANEIRO

Av. Rio Branco, 156 - cj 1007
CEP 20040-901 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil

Intech Enegenharai Empresa Certificada
Copyright © Intech Engenharia - Todos os direitos reservados.