WEB News

Versão digital do Jornal Impresso INTECH News

Junho / Julho / Agosto - 2013 / Ano3 / Número 11

INTERNACIONAL

Cidade americana adota HDD para reformular rede de infraestrutura

A norte-americana Paris não é agitada como sua homônima famosa, mas tem suas belezas naturais. Uma delas são os campos verdes e férteis que circundam aquela região do Kentucky. O crescimento populacional da região, no entanto, exigiu a duplicação da Highway 68, que liga a cidade à vizinha Lexington, e ameaçou o cenário bucólico local. A explicação? A obra exigiria a transferência de parte da rede de água e esgoto que acompanhava parte do trajeto da via.

E mais: toda infraestrutura precisaria ser instalada justamente sob o solo dos campos férteis. Para complicar o desafio, o subsolo é formado por rochas sólidas em cerca de 80% de toda a área de travessia. Contabilizando as duas redes, os dutos subterrâneos exigiram a construção de uma rede subterrânea com mais de 7 km de extensão, dos quais 13% foram executados usando a perfuração horizontal direcional (HDD), cobrindo justamente as áreas que foram preservadas da abertura de valas.

Para resolver os desafios, a administração da cidade não teve dúvidas em adotar um método não-destrutivo e escolheu o (HDD). O estudo de caso, destacado na edição online da revista Trenchless, em março desse ano. De acordo com a publicação, a empresa contratada para executar a obra - Kenney Inc – é especializada em travessia de rochas. Nesse projeto, em especial, um dos destaques, foi o uso do protótipo da perfuratriz D36x50DR série II, da Vermeer. O equipamento foi adotado para a execução de furos nos trechos de até 5,5 metros de profundidade e 914 metros de extensão

Para resolver os desafios, a administração da cidade não teve dúvidas em adotar um método não-destrutivo e escolheu o (HDD). O estudo de caso, destacado na edição online da revista Trenchless, em março desse ano. De acordo com a publicação, a empresa contratada para executar a obra - Kenney Inc – é especializada em travessia de rochas. Nesse projeto, em especial, um dos destaques, foi o uso do protótipo da perfuratriz D36x50DR série II, da Vermeer. O equipamento foi adotado para a execução de furos nos trechos de até 5,5 metros de profundidade e 914 metros de extensão.

CONTEÚDO EXCLUSIVO DO SITE

Obra na Paris norte-americana exigiu estudos detalhados

Contratados para instalar a nova rede de saneamento da cidade americana, a Kenney precisou fazer um estudo meticuloso do solo na região. A surpresa maior foi a descoberta de que o percurso era quase inteiramente composto de rochas. Apesar de grande parte de a obra ter sido efetuada a céu aberto, utilizando valetadeiras.

Aproximadamente 13% dos 7.000 metros de trajeto precisaram ser feitos em modo HDD, incluindo a travessia do rio local.

Segundo Cameron Kenney, vice-presidente da empreiteira, conforme a profundidade aumentava, foram exigidas perfurações mais longas, bem como a necessidade de maiores ajustes e correções na direção da broca, o que influenciou a variação dos resultados da produção diária. A média de execução dos furos pilotos, por exemplo, foi de 61 metros/dia, considerada boa em função das condições difíceis do solo.

Um dos maiores desafios foi enfrentar o rio com 116 metros de largura entre as margens, de solo duro e complicado, composto de calcário e argila. Na opinião de Kenney, as empreiteiras têm basicamente três opções na execução de obras em rochas: perfurar o material e inserir explosivos; utilizar valetadeiras de rocha ou uma escavadeira com martelo hidráulico e, finalmente, a fazer a instalação por HDD. “Em projetos que incluem uma travessia de rio a única opção é adotar o HDD, pois os outros métodos são proibidos por questões ambientais”, diz ele.

Nesse trecho, a construtora utilizou uma broca de 8” para completar a travessia com furo piloto. Em seguida foi feito um alargamento para acomodar o revestimento externo de 16” de diâmetro, com alargadores de 14”, 18” e 22”. O número de passagens de alargadores foi necessário para permitir que a instalação dos dutos fosse feita com sucesso através da rocha sólida. Em todas as etapas, a empresa utilizou um fluido de perfuração convencional, composto por bentonita.

Voltar

ESCRITÓRIO SÃO PAULO

Av. Adolfo Pinheiro, 1010 - cj 52
CEP 04734 002 - São Paulo - SP - Brasil
TEL: 55 (11) 2129-2100
FAX: 55 (11) 2129-2121

ESCRITÓRIO RIO DE JANEIRO

Av. Rio Branco, 156 - cj 1007
CEP 20040-901 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil

Intech Enegenharai Empresa Certificada
Copyright © Intech Engenharia - Todos os direitos reservados.